Archive for Maio, 2010

Planos a longo prazo

31 / 5 / 2010

Mais concretamente para daqui a um ano:

Vai exigir alguma “engenharia logística”, mas a vida sem desafios destes não tem o mesmo sabor! E há coisas que só se fazem pelos amigos…

Queques e Bemzocas

23 / 5 / 2010

Ontem, seis da tarde, na praia – Criança (praí do alto dos seus 4 anitos) brinca junto à água, e oiço-a falar para a mãe: “Mãe, venha cá!” Fiquei bastante surpreendido por estar a ouvir um miúdo a tratar assim os pais, especialmente numa praia tão “longe” de Cascais, mas depois disso acabei por associar ao facto de estar numa praia com tendências queque ali para as bandas da Ericeira.

Hoje, já esquecido deste episódio (e na aldeia, sublinhe-se), oiço grande algazarra com um ladrar aflitivo de um cão. Vou à janela de casa, e vejo um caniche branco de cabeça entalada nas tábuas do portão da casa da frente. O canito continuou, até que se desprendeu e ficou a olhar o portão assustado. Nisto vem a dona, típica geração fã de Marco Paulo e declara em direcção ao bicho: “Pipoca, venha cá já”

Se um miúdo tratar o pai por “você” já é queque que chegue… tratar o cão por você só pode ser a dan cake toda!

Quase 6 anos depois…

18 / 5 / 2010

… isto continua a deixar-me com pele de galinha, muito por culpa do Sr Perestrello.

As mãos das lisboetas

17 / 5 / 2010

Pois estando eu já fazendo vida por Lisboa há algum tempo, ponho-me a discorrer sobre as mãos das lisboetas. Entenda-se por lisboetas, as mulheres que vejo em Lisboa. Ora, tendo eu umas das mãos mais feias que se possa imaginar, em parte, por ser um compulsivo roedor de unhas, não me será reconhecida grande legitimidade para opinar sobre as mãos alheias, mas caramba, mesmo sem olhar obsessivamente para as mãos te todas as mulheres com quem me deparo, tenho vindo a descobrir que esse é um pequenor que constitui um dos meus parâmetros mais importantes na primeira opinião sobre o aspecto geral das “senhoras”. Enquanto estava por Aveiro, notava que no geral as mãos femininas que via tinham um aspecto mais cuidado, delicado e harmonioso do que a maioria das mãos lisboetas. Não sei porque será, até porque a maioria das mulheres com quem me cruzo não terão ocupações tão agressivas que as façam ter mãos rudes, deformadas, inchadas e eu sei lá mais o quê. Não é que não estejam tratadas, porque a generalidade das mãos apresentam até unhas arranjadas e pintadas (embora o bom gosto não seja uma constante), e não tem aspecto áspero e desagradável, mas acho-as simplesmente feias. E quanto mais penso nisto, mais me tenho posto a observar as mãos alheias, e fazendo uma estatística de olhómetro, digno-me a dizer que a percentagem de mãos “bonitas” andará bem baixa, talvez pelos 5-10%, mas não mais do que isso. As senhoras não terão culpa, porque cada um é como cada qual, mas dada a diferença de Aveiro para aqui, não podia de deixar de anotar este pensamento.

Qualquer dia sairá um post sobre “pés”, mas ficará obviamente para a época da “chanata” em que as avaliações poderão ser mais fáceis…

Ser português é…

9 / 5 / 2010

Ter a maria cavaca como primeira dama!

Atente-se aos primeiros 90 segundos do seguinte vídeo:

Cavaco em Óbidos – SIC

As caretas, a mania de cuscuvilhar tudo, as declarações de a casa ser bonita, mas não mais do que a sua, e acima de tudo, o chico-espertismo. Que orgulho em ter uma primeira dama assim!